sábado, 13 de junho de 2020

O Brasil
é uma tatuagem
mal acabada
de sua própria história!
Um dos dedos do Tio sam
entra pelo cu
enquanto o um outro
desenha um asno na testa!
um rebanho marcado
pela imbecilidade
estupidez e arrogância!
Será eternamente o país do futuro
calçando porém as ferraduras do passado.
Um cemitério de indigentes
torturadores e amordaçados
O Brasil não é uma nação!
Adeilton Lima

quinta-feira, 28 de maio de 2020

O vendedor
de espelhos
carrega
o mundo
refletido
nas costas...
Adeilton Lima
O vento
Continua fiel
À folha
Até mesmo
Quando ela
Não mais-árvore.
Na canoa das pálpebras
embarcou rumo ao desconhecido
havia pétalas de luz no canto da partida
com a aurora a afagar-lhe a alma...
Diante do farol dos sonhos
remou para o oceano profundo
guiado pelos seres dos mares
em rituais de alegria
começava ali uma longa jornada
de buscas e descobrimentos
rumo ao encontro
de si mesmo!
Adeilton Lima

domingo, 1 de dezembro de 2019

Anjos e Demônios

Tentou
budismo
cristianismo
islamismo
judaísmo...
antes do terreiro
voltou ao ateísmo
depois buscou outros rumos
mergulhou no candomblé
e visitou o Sírio de Nazaré
correu mundo
virou hare krihsna
amou, se iluminou,
mas pirou o cabeção
e caiu no protestantismo
doou o velho fusca
e alguns tostões
virou pastor
gritou, berrou, mentiu
voltou ao álcool
ao pó...
o velho paraíso
(foda-se satã
dane-se Deus
vão para o inferno
com seus pregões
e maniqueísmos)
e veio o celibato
o jejum
o autoflagelo
a castração
mas também o giro, o sufismo
e o surrealismo
recorreu à psicanálise
comeu édipo
e o pão que o diabo amassou...
fez regressão
mudou o nome
mas não o sexo
era perda de tempo
deitou-se com Nietzsche
transou zaratustra
dançou tango
visitou os índios
fez iniciações rituais
tornou-se guru...
anjo e conselheiro
até que veio o grande dia
o dia da epifania
como quem gritasse
como quem uivasse
como quem gemesse
como quem tocasse uma sinfonia
ele viu como que por magia
o homem e o menino
diante do espelho
à luz do dia...
eles próprios
somente eles...


Adeilton Lima

domingo, 8 de setembro de 2019

Como a água
acalma o fogo
o silêncio
acalent'alma.


Adeilton Lima
Cortada ao meio
a língua
contorcia-se
como um animal
abatido, sem defesas
já sem sílabas
já sem ar
sem verso
sem balbucio qualquer
sem pele e poro por lamber
escandida na raiz
abocanhada
a língua agora
seca
sem saliva
invadida
louca
apenas possuída pelo desejo
em seus últimos
segundos...


Adeilton Lima

sexta-feira, 6 de setembro de 2019

Chorar
é deixar
correr
os rios
de dentro...


Adeilton Lima
Barquinho

E mesmo
que a dor
seja forte
(acalma-te!)
deixa que
a ilusão se vá
como um barquinho
de papel
a se desfazer
sobre as águas
sinta a brisa!


Adeilton Lima

sábado, 31 de agosto de 2019

domingo, 28 de julho de 2019

domingo, 9 de junho de 2019

Ritual

Os rostos esculpidos
nas brasas da fogueira
Os rostos esculpidos
nas pedras sob a água
tudo leve
tudo leva
tudo migra
lava incandescente
no poço profundo e cristalino
o encanto e o mistério
Na beleza
do encontro
do fogo
com a água! 


Adeilton Lima

quarta-feira, 5 de junho de 2019

sexta-feira, 24 de maio de 2019

Quando fizeram o primeiro gol
José nascia
No momento do segundo,
de placa
João crescia
O apito, a buzina, a torcida
a vida que corria
ao final do jogo
em meio aos fogos
alguém jazia...


Adeilton Lima