terça-feira, 20 de novembro de 2018

Cuidar do corpo, da saúde e da alma... Recolher-se... Fazer as alquimias necessárias para encarar as tempestades. Alimentar a poesia diária da liberdade, sábio pássaro do coração. Buscar as trocas nos sorrisos solidários das manhãs, encarar a dor com firmeza e desafiar a cada momento o medo com a leveza pacífica dos grandes gestos. Estar só quando necessário, mas voltar às tribos para se fortalecer, ouvir o vento, ouvir a água, pisar descalço a terra e saudar o fogo das transformações. Agradecer à existência saudando o sol e jamais ter dúvida de estar no caminho certo como quem passeia pela via láctea na companhia fraterna das estrelas. 

Adeilton Lima