domingo, 9 de agosto de 2015

Sobre o mar da noite voou o pássaro... O vento tão algoz quanto parceiro semeava o caminho entre uivos e silvos ancestrais. Estrelas cadentes acenavam dos seus ninhos celestes rodopiando galáxias nas pontas dos dedos das crianças. "Aqui tudo é", disse o senhor dos sonhos, que com sua flauta conduzia o movimento preciso das serpentes pelos pontos iluminados do céu a flertar infinitudes... Havia auroras boreais nas gargantas dos tenores saudando o novo ciclo que se anunciava. Lá no fundo do oceano uma estrela do mar aguardava seu príncipe encantado que viria um dia dos espaços siderais. E o oceano era todo lágrimas entre o que veio e o que já foi no turbilhão das correntezas e no olhar daquele pássaro.

Adeilton Lima

Nenhum comentário: