quarta-feira, 14 de março de 2012

Com um poema atravessado no peito, cambaleou pela calçada abraçado a uma garrafa de vinho... A lua o espreitava lá do alto lambendo o gargalo da garrafa como se fosse o próprio falo da madrugada. 


Adeilton Lima

Nenhum comentário: