quinta-feira, 14 de julho de 2011

Oblíqua

A madrugada
é um poema
com a língua
para fora
ziguezagueando
teus desejos


Adeilton Lima

Nenhum comentário: